Empresas Estrangeiras sentem a Pressão da Crise Venezuelana

A queda da indústria
petrolífera da Venezuela na última década vem complicando qualquer tipo de
negocio no país, mas havia um setor que tinha permanecido bem, que eram as
joint ventures do país com empresas estrangeiras, particularmente as que
extraem petróleo pesado das reservas do Cinto do Orinoco. Essas joint ventures
são uniões, por um tempo limitado, entre duas
empresas a fim de compartilharem ações, técnicas e tecnologia, mas sem perder
as suas características individuais.

As reservas de óleo extrapesado
deram a  Venezuela os maiores depósitos de óleo provadas do mundo, e as
empresas estrangeiras, incluindo  Chevron, Total e  Statoil
decidiram que valiam a pena continuar trabalhando lá apesar dos problemas de
montagem e estabilidade politica do país. Com a crise financeira da
Venezuela se  deteriorando e não vendo melhora pelo menos em um curto
prazo, somando um novo conjunto de sanções dos EUA feita pelo presidente Donald
Trump, aumentando a pressão, mesmo as joint ventures estrangeiras estão
sentindo agora a tensão. À medida que as condições pioram, as empresas
enfrentarão questões difíceis sobre o futuro de suas operações.

Para
entender melhor esse cenário temos que voltar um pouco no tempo, em 2006/2007,
onde o Presidente Hugo Chávez assumiu o controle da indústria, que recebeu
investimentos em grande escala de empresas, incluindo  ExxonMobil, Chevron
e  BP. A galinha dos ovos de ouro do setor foram quatro projetos no
Orinoco Belt para prospecção de óleo extrapesado, que passando pelo processo
correto pode ser processado pela refinaria de forma relativamente fácil. O comandante
Chávez emitiu um decreto para dar à PDVSA, a companhia petrolífera estatal, uma
participação de 60% nesses projetos, e chegou ao ponto de enviar tropas para
fazer cumprir as ordens, com uso de armas, se fizesse necessário.

Algumas empresas
nesse tempo já decidiram se afastar como a Conoco e a Exxon, entrando na
justiça e processando para recuperar o valor dos ativos que perderam. As outras
empresas permaneceram principalmente, decidindo que a retenção de participações
minoritárias era uma aposta melhor do que uma batalha na justiça longa, incerta
e instável.

Mas em decorrência da queda do preço do petróleo em 2014, a PDVSA foi
mergulhada em uma crise. Desesperado por dinheiro para atender o peso da
dívida, tem passado por dificuldades em suas operações de fundos, o que é
agravado pela má administração da PDVSA. A estatal ainda tem que lidar com o já
conhecido êxodo de talento, que se tornou comum sob o comando de Maduro, sem
falar nos incontáveis casos de corrupção, que são mostrados na mídia
diariamente, e a produção de petróleo no país vem caindo constantemente, como
pode ser visto no gráfico abaixo. 

Gráfico
I: Produção de Petróleo da Venezuela em BBL/D/1K  Fonte: tradingeconomics

As sanções norte-americanas
apesar de não serem voltadas especificamente para indústria petrolífera
tornaram a instalação e o cotidiano das empresas estrangeiras muito mais
difíceis no país, impedindo até cidadãos americanos comprar novos títulos da
PDVSA com prazo de mais de 90 dias.

A grande vantagem das joint
ventures da Venezuela para empresas estrangeiras foi que, ao invés de permitir
que a Estatal venezuelana vendesse o petróleo e, em seguida, aguardasse o
pagamento da sua parte, eles tomavam uma parcela de produção e conseguiram
vendê-la por si mesmo. No entanto existem agora sinais de que esses arranjos
estão sendo mudados.

A Reuters informou
recentemente que a PDVSA havia pedido a sua joint venture Petropiar com a
Chevron que entregasse até 45% do petróleo que planejava exportar no mês
passado.  Se esse tipo de apropriação
prevalecer, aparentemente destinada a atender a demanda interna de combustível,
pode ser a última ação, a desencadear uma nova fuga, agora das joint ventures.

FONTE:

[1] Dados
e gráficos sobre a produção Venezuelana, pode ser encontrada em, https://pt.tradingeconomics.com/venezuela/crude-oil-production

[2] Notícia e
dados sobre a crise Venezuelana e o Petróleo podem ser encontrados em, https://www.ft.com/content/3264b33e-d680-11e7-a303-9060cb1e5f44

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.