OPEP e AIE divergem sobre o futuro do Mercado de Petróleo para 2018

image

As duas coalizões mais
importantes do mercado de petróleo mundial, AIE (Agência Internacional de
Energia) e a OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) divergem
sobre o futuro da indústria para o ano de 2018. De acordo com a primeira será
difícil eliminar o que o mercado chama de “excedente de oferta”, que jogou os
preços da commodity para baixo nessa nova fase, entretanto a OPEP pensa
diferente, de acordo com ela os cortes de oferta acordados por ela durante esse
tempo e agora estendidos para o ano de 2018, eliminará essa oferta excedente.

Essa divergência teve
recepções distintas no mercado como, o do chefe de estratégia de commodities do
Saxo Bank em Conpenhage, Ole Sloth, que disse  “É impossível que ambos estejam certos”.

Relembrando a história
recente, a Opep junto com seus aliados, incluindo a Rússia, um rival histórico
na corrida do ouro negro, acordaram cortes na produção de petróleo a fim de
tentar valorizar a commodity, onde objetivaram reduzir sua produção combinada em 1,8 milhão de bpd e
trazer assim o “reequilíbrio” para o mercado. De acordo com a agência de
notícias Reuters, esses cortes eliminaram quase dois terços do excedente global
este ano, compensando a explosão do petróleo de xisto. É importante notar que
essa estratégia foi pensando no longo prazo, pois esses cortes tiveram algum
prejuízo em suas economias nacionais.

Mas a opinião apresentada
pela AIE é diferente, apesar de reconhecer que esses cortes tiveram sucesso,
mostrando até dados de que o excedente nos países desenvolvidos despencou de
291 milhões de barris em novembro de 2016 para 111 milhões em outubro de 2017,
o que levou o barril do óleo Brent passar a marca dos US$ 60, atingindo assim o
maior preço desde 2015, como mostrado no gráfico abaixo, ela apresenta a
conclusão de que o volume dos excedentes pouco mudará, enquanto a Opep têm
expectativa que o fim de processo de “reequilíbrio” será no fim do ano que vem,
pois os estoques caíram cerca de 130 milhões de barris, a AIE prevê que os
estoques continuaram constantes porque o crescimento da oferta nova superará o
aumento da demanda, a dúvida que gera o conflito
entre as projeções para 2018 é se a aliança será capaz de extinguir a
abundância restante sem desencadear uma nova onda do xisto dos EUA.

image

       Gráfico I: Preço do Brent Oil     Fonte: Macrotrends

Destaca-se que a
demanda prevista por ambas as instituições pelo petróleo é a mesma no curto
prazo, a Opep será de cerca de 32,3 milhões de barris por dia em média no
primeiro semestre de 2018, mas suas projeções divergem com o avançar do ano. A
Opep estima que precisará bombear cerca de 34 milhões de barris por dia no
segundo semestre, enquanto a AIE prevê necessidade de apenas 32,7 milhões por
dia.

FONTE:

[1] Dados sobre preço do Brent Oil, pode ser encontrado em, http://www.macrotrends.net/2480/brent-crude-oil-prices-10-year-daily-chart

[2] Matéria sobre
prolongamento do acordo de cortes de oferta, pode ser encontrada em, https://portaldopetroleiro.com/post/168290737241/opep-e-r%C3%BAssia-concordam-em-prolongar-cortes-de

[3] Matéria sobre a
divergência entre AIE e Opep, pode ser encontrada em, http://www.tnpetroleo.com.br/noticia/maiores-vozes-do-petroleo-divergem-sobre-perspectiva-para-2018/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.