De acordo com Chevron, Mudança climática não é ameaça imediata ao petróleo

image

                                   IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA


O cenário de  mudanças
climáticas são decisivas para os mercados de energia futuros, inclusive a
previsão de como isso irá acontecer no futuro,  mas o efeito delas sobre a divisão de petróleo
e gás da Chevron será mínimo nas próximas décadas, segundo relatório da
empresa.

Com a perspectiva de controles
mais rigorosos de emissões e de preços de carbono e crescimento mais limitados
no campo de energia renovável, alguns investidores e ativistas estão
pressionando as empresas a revelarem possíveis impactos sobre seus negócios. O
risco para os acionistas é que alguns projetos se tornem deficitários com a
queda da demanda por petróleo e gás.

A Exxon Mobil e a Royal Dutch
Shell produziram relatórios semelhantes. Entre outras conclusões, a Chevron
afirmou que a indústria de petróleo e gás responderá por 48 por cento da matriz
energética mundial em 2040, mesmo no cenário mais desfavorável da Agência
Internacional de Energia para o setor. Atualmente, a fatia é de 54 por cento.

De acordo com Mark Nelson, vice-presidente
de midstream, estratégia e políticas da Chevron, em entrevista,

“Diversos
cenários” rendem o mesmo resultado: a demanda por petróleo e gás
continuará sendo forte durante décadas.

O vice presidente ainda disse em
relação ao relatório que,

“nos dá confiança de
que estamos testando nosso negócio de forma adequada para nossos acionistas,
dado o contexto de muitas coisas que podem mudar ao longo do tempo.

A empresa com sede em San Ramon, Califórnia, afirmou que avalia
continuamente os riscos representados pelas políticas ambientais e de preços do
carbono para o seu modelo de negócio e concluiu que não são uma grande ameaça
no momento.

image

A demanda global de energia
crescerá fortemente em todos os cenários, segundo a Chevron. A empresa calcula
o risco de "encalhe” de seus ativos como “minúsculo” devido
à qualidade e à diversidade deles, disse Nelson.

Pelo Twitter, nesta semana, a
diretora mais jovem da Chevron questionou o futuro de um setor que a terceira
maior exploradora de petróleo do mundo ajuda a liderar.

A economista e escritora Dambisa
Moyo, que entrou no conselho da Chevron em outubro de 2016, tuitou na
quarta-feira: 

“Se o consumo de energia a partir do petróleo está em queda
e o consumo de energia renovável está crescendo, qual o significado disso para
o futuro da indústria do petróleo?”
 (“If #oil energy consumption is declining and
#renewableenergy consumption is on the #rise, what does that mean for the
future of the oil industry?”).

Segundo Nelson, o fato de uma
conselheira fazer perguntas do tipo mostra que a Chevron está comprometida em
desafiar seu próprio modelo. “Esse tipo de cenário precisará ser testado
quando analisarmos nossos investimentos daqui para a frente”, disse.

Posteriormente, o tuíte
desapareceu da linha do tempo de Moyo.

 FONTES:
[1] Matéria sobre pronunciamento da Chevron, pode ser encontrada em, http://www.tnpetroleo.com.br/noticia/mudanca-climatica-nao-e-ameaca-imediata-ao-petroleo-diz-chevron/
[2] Foto foi obtida em, https://guardian.ng/news/nnpcchevron-frsc-launch-child-safety-campaign-in-ondo-2/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.