Águas da subsuperfície e sua origem

image

Quando estudamos a geologia do petróleo, muitas vezes damos mais atenção a formação do petróleo e do gás, suas características e condições apropriadas para sua formação. Entretanto, alguns outros pontos também são interessantes para o estudo devido, principalmente, por seus fatores que contribuem com a exploração dos hidrocarbonetos, como por exemplo, a água localizada na subsuperfície.
O primeiro pensamento que pode nos ocorrer é o seguinte: como isso pode ajudar na exploração de um poço? Bem, A partir do calculo da salinidade da água podemos identificar o quão próximo estamos de um reservatório, devido ao fato de que geralmente a salinidade aumenta quando nos aproximamos.
Para começarmos a falar a respeito das águas da subsuperfície precisamos primeiro saber que ela pode ser definida em dois tipos: a água livre e água intersticial. Porém sua definição também pode ocorrer baseada em sua origem. Desta forma podemos dividi-la em quatro tipos, sendo eles: juvenil, meteórica, conata e mista.
A água livre pode se locomover livremente para dentro e para fora dos poros dado uma certa variação na pressão. Já a água intersticial é aquela que está ligada aos grãos localizados nos minerais ou por ligação no retículo cristalino. Esse tipo muitas vezes também é denominado de água irredutível, devido não poder ser retirada do reservatório durante a exploração.
Como dito anteriormente a água de superfície também pode ser dividida pela sua origem, ou  seja, de acordo com o local onde ela foi formada.  As água meteóricas são formadas próximas a superfície e como o nome já da a entender, ocorrem a partir de infiltrações das água da chuva, praticamente não contendo salinidade. Esse tipo geralmente é mais acido devido ao ácidos localizados na atmosfera que entram que nela se dissolvem.
As águas conatas não são tão fáceis de se definir. Durante o tempo muitas definições foram dadas a ela tentando entender de onde se originavam. Atualmente, se acredita que esse tipo pode ser a água intersticial presente no reservatório antes de ser perturbada pela perfuração e que também podem ser águas que foram soterradas em um sistema hidráulico fechado e não participaram de um ciclo hidráulico por um longo tempo. O que é possível saber a respeito deste tipo é que sua composição química e concentração é totalmente diferente da água do mar.
As águas juvenis contém origem magmatica primaria, entretanto não é possível definir se elas realmente são primarias e que não ocorreu contaminação devido a contato com as águas conatas. A partir desses três tipos conseguimos determinar o quarto, as águas mistas, que basicamente ocorre quando os três tipos convergem uma com a outra.

Embora origens diferentes e algumas que ainda hoje causam duvidas e questionamentos ao seu respeito, os estudos das águas localizadas na subsuperfície tem um grande valor para a exploração do petróleo e devem ser bastante valorizados e estudados a fim de que novas descobertas sejam feitas.

Luan Victor França
Diretoria de projetos do portal do petroleiro
Graduando em engenharia de petróleo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.