Slim-hole ou Microperfuração


Nos últimos anos, a indústria petrolífera vem desenvolvendo
plataformas, equipamentos de perfuração e ferramentas de perfilagem para
perfuração de poços de pequeno diâmetro, também chamados “poços delgados”.
Portanto, slim-hole drilling se
refere à perfuração de poços delgados. Sabe-se que os poços de petróleo são
constituídos de seções, onde são utilizados revestimentos de diâmetros
gradativamente reduzidos com a profundidade. Dessa forma, pode ser considerado
um poço de diâmetro reduzido, o que apresentar 90% de seu comprimento com
diâmetro igual ou inferior a 17,78 cm (7 in).

Algumas empresas de petróleo usam a referida expressão
quando estão projetando poços com um menor número de revestimentos, requerendo
menor quantidade de fluido de perfuração e cimento e produzindo menos
cascalhos. Outras definições para poços delgados incluem os de menores
diâmetros ao final da perfuração dos convencionais.

Em operações normais de perfuração, poços delgados também se
justificam ao tornarem-se alternativas àqueles que apresentarem problemas
operacionais e necessitarem de um conjunto extra de revestimentos, ou na
reentrada de poços laterais ou horizontais.

A princípio, o principal objetivo de se perfurar poços de
“furos reduzidos” é a redução de custos, uma vez que as estimativas variam de 40
a 60% na perfuração exploratória. As causas residem na redução do consumo de
brocas de perfuração, lamas, cimento, combustível, na maior facilidade de
mobilização de equipamentos, bem como equipamentos menores e menos resíduos. As
plataformas são menores e pesam cerca de um quinto das convencionais, podendo
viabilizar a exploração em áreas inacessíveis ou que sejam sensíveis
ambientalmente.

Para exemplificar, uma companhia sueca chegou a perfurar 93
poços delgados, cujo diâmetro aproximado era de 2,5 polegadas, economizando 75%
em relação aos métodos convencionais. Essa economia se deve aos fatores citados
anteriormente.

A tabela abaixo mostra uma comparação de alguns parâmetros de poços convencionais
e de poços de diâmetro reduzido.

Uma das limitações ocorre em poços com menos de 6,5 in (polegadas), pois é necessária a
redução física do tamanho dos rolamentos em todas as brocas de rolos. Como
consequência, requerem uma limitação do peso sobre a broca. Nessas condições
limitantes, a depender do tipo de broca utilizado, a estrutura de corte pode
não ser eficiente para oferecer maior ritmo de penetração (ROP). Portanto, deve-se
considerar uma broca de diamante para aumentar o coeficiente de penetração e
para permanecer no poço durante períodos prolongados.

Além disso, problemas podem ocorrer caso ocorra influxo de
fluidos da formação. A profundidade máxima perfurável com as configurações
desse tipo de poço constitui outra limitação atual dessa tecnologia.

Tipos de perfuração
delgada:

Neste primeiro tipo,
encaixam-se os poços perfurados com brocas pequenas, com diâmetro variando de
4,5 a 6 polegadas. A sonda usada é uma versão reduzida da sonda de perfuração
convencional. Diferentemente dos convencionais (9 metros), o comprimento dos
tubos de perfuração varia de 1 a 6 metros e suas conexões são planas para
redução de arraste. Enquanto a redução do peso dos tubos diminui a abrasão na
parede do poço, ela diminui sua resistência mecânica. Nesse caso, a flambagem
pode ser parcialmente reduzida com o uso de suportes apoiados na parede do
poço.

O segundo tipo,
chamado de testemunhagem contínua, apresenta bom potencial para obtenção de
informação geológica a partir dos testemunhos. Essa técnica é aplicada na
indústria de mineração para a verificação de existência de minerais em
quantidade viável, que justifique a exploração. Contudo, na indústria de
petróleo, começou a ser adaptada em meados da década de 1950, diferindo da
testemunhagem convencional dos campos petrolíferos.

Considerações:

Embora o pequeno diâmetro reduza a utilização das
tecnologias de perfilagem, atualmente, existem ferramentas MWD com diâmetro de
1,25 polegadas.

Percebe-se que, pelo fato de apresentarem uma folga anular
de 0,5 polegadas contra de 1,5 a 9 polegadas em poços convencionais, o desenvolvimento
dessa área de perfuração de poços delgados está contido no fluido de
perfuração. Aditivos são necessários para ajustar a viscosidade do fluido,
reduzindo as perdas de cargas, uma vez que a velocidade é alta no espaço
anular. Outra consideração está relacionada à rotação do conjunto, pois a
rotação do tubo de pequeno diâmetro faz com que ele aja como uma centrífuga,
prendendo os sólidos à superfície interna do tubo de perfuração e impedindo o
fluxo do fluido.

Lucas Goulart
Diretoria de Projetos
do Portal do Petroleiro
Graduando em
Engenharia de Petróleo

Referências

JAHN, Frank et al. Introdução à Exploração e
Produção de Hidrocarbonetos. 
2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.
491 p.

LOURENÇO JUNIOR, Verim Hernandes. Técnicas de
Perfuração. 
Petrobras. 282 p.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.