Geohazards


Na indústria de petróleo, são
diversos os perigos e riscos com os quais deve-se lidar. Existem algumas
expressões para essas situações indesejadas de acordo com o local em que
ocorrem, com a origem ou mesmo com o seu causador. Portanto, hazard é frequentemente traduzida como
perigo e pode indicar alguns problemas relativos à perfuração (drilling hazards), associados a qualquer
processo geológico (geohazards) ou à
sua profundidade de ocorrência (shallow
hazards
).

Representando as situações que podem provocar riscos durante
a perfuração, a expressão drilling hazard
se refere a perdas de circulação, zonas com a presença de ácido sulfídrico (H2S)
ou gás carbônico (CO2), zonas de sal e diápiros de argila.

Os shallow hazards
geralmente encontram-se acima da sapata do revestimento de superfície em poços
de petróleo, característicos de profundidades mais rasas. Contudo, mais
amplamente, geohazards são
decorrentes de qualquer processo geológico ou hidrológico que podem causar
riscos às instalações de perfuração e produção e aos seus trabalhadores, tanto
em superfície quanto em subsuperfície. A seguir, alguns exemplos de geohazards relacionados às condições da
plataforma continental.

  • Topografia irregular, podendo haver porções
    rochosas com relevo acentuado;
  • Formações rasas altamente inconsolidadas;
  • Deslizamentos recentes de blocos de rochas no
    leito marinho;
  • Erosão do solo marinho;
  • Fissuras e escarpas.

Alguns riscos relacionados ao processo de migração de
fluidos nos poços são:

  • Fluxo de águas rasas (shallow water flow);
  • Gases rasos (shallow
    gas
    );
  • Hidratos;
  • Vulcão de lama (mud volcanoes).

Na figura abaixo, é possível identificar os vários tipos de geohazards citados anteriormente.

Já, na figura a seguir, estão os riscos que tais geohazards podem provocar em uma plataforma.

Dessa forma, esses problemas devem
ser levados em consideração durante as fases de construção de um poço. Por meio
do conhecimento do solo marinho, pode-se determinar locais com baixo potencial
de risco para posicionamento da plataforma. A avaliação da presença de fluidos
pressurizados em profundidades rasas também é importante para evitar danos ao
poço.

Os referidos riscos não podem ser
totalmente evitados, mas seu impacto nas operações, pessoas e no meio ambiente deve
ser diminuído ou mitigado para não levar a danos ou riscos generalizados.

 

Lucas Goulart

Diretoria de Projetos do Portal do Petroleiro

Graduando em Engenharia de Petróleo

 


Referências

ROCHA L. A. S. & AZEVEDO C. T.
Projeto de poços de petróleo: geopressões e assentamentos de colunas de
revestimentos. 2ª ed. 561p. Interciência: Petrobras. Rio de Janeiro, 2009.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.