Shale Gas


Diferentemente de reservatórios convencionais, os não
convencionais necessitam de mudanças em suas características para que o fluido
nele contido escoe para dentro do poço produtor e chegue até a superfície. Um
fator característico desse tipo de formação é baixíssima permeabilidade.
Portanto, trata-se de técnicas avançadas de estimulação para criar ou aumentar
os caminhos por onde o fluido passa para que o mesmo se locomova da rocha para
o poço, sendo o fraturamento hidráulico a técnica mais utilizada.

Entre os principais reservatórios não convencionais, estão
os reservatórios de arenitos com baixa permeabilidade, de metano em camadas de
carvão, de óleo pesado e de gás em folhelhos (Shale Gas).

O shale gas é o
gás natural advindo da exploração de formações de xisto (folhelhos), as quais
normalmente funcionam como fonte e reservatórios para o gás. Anteriormente vistos,
em sistemas petrolíferos, apenas como rochas geradoras e selantes, os folhelhos
são ricos em matéria orgânica e aprisionam o gás dentro da rocha devido à baixa
permeabilidade da matriz.

O folhelho propriamente dito é uma rocha sedimentar formada
por argilas de granulometria fina, que foram depositadas por decantação em
ambientes de baixa energia, tais como planícies de maré e bacias de águas
profundas. Eventualmente, o gás pode ficar confinado entre camadas de
laminações paralelas. O referido gás tem sua origem a partir da deposição simultânea
de material orgânico e os grãos de argila.

Segundo Ayers (2005, apud MELLO JUNIOR, 2015), um folhelho
gerador típico com grande potencial de representar um shale gas, seria um folhelho rico em matéria orgânica e com as
seguintes características:

  • Coloração escura a preta;
  • Baixa porosidade e permeabilidade;
  • Conteúdo orgânico (TOC) entre 1-10% (ou mais);
  • Bem estratificado;
  • Raios gama geralmente maior que 140 API;
  • Ocorrência de pirita;
  • Se houver folhelhos fosfatados.

Quando à produtividade desse tipo de reservatório, ela é
maior do que as outras fontes convencionais de exploração de gás natural no
início da produção e tem um rápido declínio com o passar do tempo. As razões
para isso acontecer são a presença de gás livre, que é rapidamente
produzido, e de gás aprisionado. Como fraturas são feitas para se dar início à
exploração, no caso de shale gas, os
dois tipos são produzidos em conjunto, o que leva a um pico de produção. O
posterior declínio na curva de produção do poço é devido ao lento fluxo do gás aprisionado,
como evidencia a figura a seguir, com quatro áreas distintas de exploração e
produção do shale gas no Canadá.

Fonte: The commonsensecanadian
(2014).


Lucas Goulart

Diretoria de Projetos
do Portal do Petroleiro

Graduando em Engenharia
de Petróleo

Referências

MELLO JUNIOR, Carlos Alberto de. Estudo sobre os impactos ambientais envolvidos na utilização da técnica
de fraturamento hidráulico na exploração do shale gas nos estados unidos.
2015.
66 f. Monografia (Especialização) – Curso de Engenharia de Petróleo,
Departamento de Engenharia Química e de Petróleo, Universidade Federal
Fluminense, Niterói, 2015.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.